Buscar
  • Bruxo dos Ventos

SABBAT

SABBAT


Do cântaro de barro o óleo de quebranto e mirra.


Oh filha das estranhas filhas!


Viço

da profunda terra.


Molha o meu lábio, pinga tua seiva espessa


antes que anoiteça o lírio e o campo se converta em trevas.


Eis a minha língua líquida. O hálito de flor, das eras.


Tudo permanece implícito, híbrido de luz e pétalas.


Clamo no seio o néctar, giro com os teus arcos triplos:

Tudo se conecta.



C.S.

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A TERCEIRA LENTE

Aos olhos do poeta com clareza revelam-se as florências pequeninas. Latentes lá no pólen, opalinas ao vento que passeia em sutileza. E vê detrás ainda da beleza, a vaporosidade sibilina. Que oculta à